Blógico!

Pensamento, cultura, artes, boas notícias

Arte hoje e sempre

Antes da introdução do computador nas artes gráficas, os departamentos de arte utilizavam inúmeros instrumentos e ferramentas para a execução de campanhas, diagramações, ilustrações e montagens, num processo artesanal que exigia, além de criatividade e conhecimentos de artes visuais, composição etc, muita destreza e domínio dessas ferramentas. Montava-se uma simples página de texto com fotografia linha a linha, calculando número de caracteres de acordo com bordas, fonte, espaçamentos, e tamanho da foto – tudo com estilete, régua, cálculos, cola e muito mais, além de ter que encomendar o texto, previamente redigido, a uma empresa, na fonte e blocagem determinadas.

Mas e se algo mudasse no meio do caminho? Daí sem dúvida tudo teria que ser refeito, quase do início outra vez!

Parece mesmo difícil, hoje, imaginarmos tal processo. Mas era assim e não havia o Google Images para facilitar o trabalho de inserir imagens; a ilustração ou foto tinha que estar à mão ou ser produzida. Para se ampliar ou reduzir uma imagem usava-se uma ferramenta chamada prisma, algo parecido com um datashow arcaico que projetava a imagem numa base vertical, na escala desejada, para que se copiasse manualmente! Loucura? Não, limitação dos tempos.

O computador, ao entrar no departamento de arte, veio como nada mais do que uma nova ferramenta, porém uma ferramenta múltipla que substituiu aos poucos (porém muito rapidamente, em termos históricos) quase todas as outras. Com ele passou a ser possível diagramar uma página sem ter que cortar e colar um centímetro de papel, colocar fotos e ilustrações à vontade, dimensiona-las, corta-las e edita-las livremente no espaço disponível com o auxílio da máquina em todos os cálculos de espaçamento, entrelinhas etc. E para o espanto dos diretores da velha guarda, o possante “cérebro eletrônico” também tornou-se capaz de manipular imagens e gerar ilustrações de todo tipo, com texturas de tela e efeitos de tinta! Alguém que nasceu depois de 1990 deve estranhar tantas exclamações, mas a idéia é mesmo demonstrar o espanto com que essas novidades foram recebidas no mercado. Realmente tais recursos revolucionaram não só o modo como se faz arte, mas também a estrutura dos departamentos de arte e a base de qualificação dos profissionais, além, claro, da gama de possibilidades de criação de um layout.

Por fim a Internet coroou este processo trazendo para a palma da mão todo tipo de informação, referência, imagens, fontes e suportes tecnológicos para conceituação, criação, desenvolvimento e execução de idéias. Seria o céu na Terra, porém…

Porém esse processo trouxe, como tudo mais na vida, seu lado negativo: já não é mais preciso especialização para execução de artes e peças de campanha: basta que se tenha uma máquina vendida a preços populares no varejo, com pagamento a perder de vista, para se estar “apto” a fazer propaganda. E a popularização da linguagem visual e de certos conceitos básicos também trouxe a ilusão de que qualquer um pode fazer um anúncio. Para que um conjunto de elementos dispostos na página torne-se um anúncio, porém, deve haver por trás dele muito mais do que um apelo de vendas e algumas vinhetas, deve haver conceito, apelo subjetivo, estudo do problema do cliente, objetivo de comunicação, equilíbrio de cores e massa, simetria, impacto visual planejado, recursos semióticos aplicados conscientemente… Enfim um leque de coisas que não se aprende ao adquirir um PC ou aprender Photoshop. Lembro de ter visto num panfleto, distribuído na Av. Presidente Vargas: “Aprenda Corel Draw e faça campanhas de propaganda!”. E quem já não viu uma placa ou panfleto de gráfica rápida prometendo “sua logomarca em uma hora”?

Tal banalização dos recursos de produção saturou o mercado e tornou a promessa de “mais tempo livre”, mais uma vez, uma falácia – pois há uma infinidade de concorrentes nem sempre (ou quase nunca) qualificados, cobrando preços irrisórios, o que junto com os prazos cada vez mais apertados torna os serões e madrugadas ainda uma rotina em agências, veículos e produtoras.

Mas nada disso matou as artes gráficas ou o bom gosto, pelo contrário temos uma produção cada vez mais rica e diversificada. Também houve esse processo quando da invenção do equalizador de som, quando se ouviam gritos indignados de “agora qualquer um pode fazer sons, mas nada disso é música!”. O processo de nivelamento das aptidões se dará naturalmente, como se deu namúsica. Além disso não acredito que o computador tenha ”tirado a arte” dos processos de edição de imagem por exemplo. Meu pai, fotógrafo, certa vez repetiu para mim o discurso de que “o processo digital e o Photoshop tiraram algo de artesanal da fotografia”.

Desculpe, pai, mas discordo. Ao fazer uma foto digital hoje, imagino que haja mais um processo além dos tradicionais “escolher, enquadrar, clicar, revelar, cortar, ampliar”. Há inúmeros filtros no Photoshop que são injustamente acusados de “anti-artísticos”, mas que no fundo fazem o efeito que se conseguia, antes, chacoalhando o revelador de tal ou tal maneira diferentes – vejo o tratamento digital de uma fotografia, hoje, como era no laboratoria ha alguns anos, só que sem a luz vermelha limitando a visão: o artista gera um feicho de pura luz que chega até ele formando a imagem (a tela), e ali ele manipula cada parte da luz (vermelho, verde, azul) ou da tinta (ciano, magenta, amarelo, preto) para conseguir resultados extraordinários – o artista brinca com a luz que dança à sua frente, ao seu gosto. A primeira coisa que digo aos meus alunos de Photoshop é: Esqueça que está diante de uma máquina, pense na imagem, só nela e no que você quer dela – o filtro que você vai usar aparecerá naturalmente.

Imagino que daqui a algumas décadas poderemos ouvir alguém dizendo: “No meu tempo é que era tudo artesanal, o Photoshop tinha que ser pensado, entendido… Manipulávamos camada por camada, tinha o brush e as canetas gráficas que obedeciam à pressão da mão… Hoje você diz – trate a imagem! – e está tudo pronto!”

Não sei o que o futuro nos revela, mas o presente me parece ótimo!

 

Anúncios

29-02-08 - Posted by | Arte, Design, Foto, Ciência e Tecnologia, Comunicação e design

2 Comentários »

  1. É… o Pablo é uma criatura atemporal…nem homem nem mulher…nem ser humano e nem animal…é uma criatura além das nossas perspectivas, uma ciratura ímpar. O Cósmos inteiro dedicou suas energias na elaboração e criação do Pablo…creio q isso seja uma mensagem de amor…sabe? amor…daqueles dos mais desprendidos e despojados…sem a intenção de chocar…apenas de amar e admirar o próximo! Tu podes estar c perguntando o que essa minha mensagem tem a ver com seu post e eu te respondo…eu tbm ñ sei…só sei que o Pablo é A criação divina…das mais rústicas, com seus pincéis e tintas, em uma tela em preto e branco que foi se sofisticando, evolunindo e ganhando cores ao longo de seu percurso aqui na Terra.
    Fica em paz querido Pablo…o de ontem, o de hoje, o de amanhã…o de sempre! Criador e criatura.
    Carol Siqueira.

    Comentário por Carol Siqueira | 04-03-08 | Responder

  2. Obrigada pl AULA d trat. de imagem !
    Akela 1ªaula, q t falei antes, realmente j ñ m lembrava d nada msm…*rs.
    Nunca tinha parado p pensar nesse lado (nessa evolução toda) da arte grafica.
    Sabia o básico (pré-avançado) e me conformava c isso…
    Agora tentarei m “aprofundar” mais e mais, no q puder!
    :¬D
    Talves até faça 1 facú só sobre isso…Q tal ? *rs.

    Beijundokas e atééééééé a Próxima, meu amigo !
    Sentirei saudades !!!
    ;¬*(*(*)
    FICA COM DEUS & SE CUIDA !

    Comentário por suZANinha | 01-03-08 | Responder


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: