Blógico!

Pensamento, cultura, artes, boas notícias

Sem perguntas

Depois de três dias em uma cidade sem luz, água, telefone ou estradas, sem poder sair e recebendo noticias esparsas sobre a catástrofe em Friburgo, ali do lado, finalmente consegui chegar ao Rio. Ainda com a alma em silêncio, eis que me deparo com a cobertura piegas, apelativa e fraca da Globo. Quando o repórter perguntou se a menininha queria voltar pra casa, uma pergunta gritou: O QUE ESTE CAMARADA FAZ AI?

Este é um conto relâmpago sobre outro repórter – e a mesma menina.

O pai assistia ao jornal e apareceu a repórter de taylleur na chuva, com o microfone na mão; Foi quando Filho, que tinha o mesmo nome do pai, se apaixonou pela primeira vez e decidiu ser repórter. Mas a repórter de taylleur gaguejou e Filho conheceu o medo da pergunta, que se mostrava um terrível inimigo.

Filho cresceu, fez vestibular e passou para jornalismo, aprendia fácil mas a PERGUNTA parecia sempre indecifrável. Estudou entrevistadores famosos, técnicas de biografia, entrevistas históricas, a arte de querer saber em várias culturas. Seu trabalho final foi sobre a “dificuldade de extrair conteúdo no tempo imediato das transmissões eletrônicas”, ou algo parecido, mas foi publicado simplesmente como “A Pergunta – de Repórter Filho”. Fez sucesso, mas Filho ainda não estava seguro.

Pelos seus méritos conseguiu estágio numa grande emissora e quiz o destino que logo houvesse uma calamidade que deslocou todas as equipes para a região serrana; lá estava Filho cobrindo a história em seus primeiros dias, ensopado de chuva como sua primeira paixão estivera. Foi quando o repórter quebrou a perna com uma queda de árvore e o assistente teve diarréia graças à água poluída. O microfone veio parar na mão de Filho, ENTRAMOS EM DOIS MINUTOS, na cconfusão o câmera nem percebeu que focava o estagiário assustado. Entre os desabrigados uma menininha que perdera a casa. Luz, câmera, tensão!

De repente era ele, a câmera e a PERGUNTA que deveria fazer a uma menina que perdeu a casa. Em último caso sairia com um “você quer voltar para casa?” e pronto, pauta cumprida e um começo memorável. Sõ que algo nisso desconfortava Filho, e não havia tempo para pensar: NO AR!
– Boa noite! Aqui na Serra de Caibarro a situação é trágica. Dezenas de voluntário se revezam na triagem de doações enquanto essas famílias etc etc etc…

Olhou para a menininha no momento decisivo. Que pergunta fazer? Tomado pela incerteza, simplesmente se abaixou e disse olhando nos olhos dela:

– Olha, eu sei que sua casinha foi embora, mas a sua mamãe está aqui e vai cuidar de você tá?

A menina devolveu com lágrimas de dor e alívio; falou da casinha, da boneca perdida, da mamãe e do cachorro. O relato ficou no ar por quatro minutos (e meio), deu picos de audiência, recordes de acessos e repercussão internacional. Mas durante aqueles quatro minutos (e meio) Filho não se deu conta de nada, estava só conversando e acariciando uma menininha que perdeu a casa. Eram eles dois, sem câmera nem perguntas.

Em sua carreira, Filho entrevistou mais de quatrocentas e cinquenta pessoas ao redor do mundo, incontáveis horas de conversas sinceras, comoventes e verdadeiras. Sem uma pergunta sequer.

 

Em memória das vítimas das  águas e da imprensa.

Anúncios

15-01-11 Posted by | Contos, Desabafo | , , | 2 Comentários

O culto ao vilão oculto.

Em breve o BLOGICO se tornará RELLEVANTE.COM

A ficção gobal está reinventando o vilão. Se você pensa que o maior deles, em Passione, veste saias, dê uma folga à Mariana Ximenes porque você também é vítima do verdadeiro crápula da trama.

Hollywood nos acostumou a vilões que fazem de tudo para serem detestados: mentem e matam tanto que logo estamos nos segurando pra não jogar tomates e palavrões contra as telas, e já torcemos para que o mocinho dê a eles o final trágico que fizeram por merecer. É assim que as platéias do mundo acabam desejando que alguém seja morto, mutilado, maltratado, humilhado ou desmaterializado – e chamam isso de final feliz. Eis a doutrinação que nos faz achar justificável qualquer atrocidade do mocinho (como invadir o Afeganistão, por exemplo).

Em Passione, a malvada Clara é capaz de tudo para merecer um final sangrento e sem compaixão. Mas ela engana alguns personagens, enquanto o outro, que na trama trai duas mulheres, segue sob os aplausos de milhões de espectadores.

O sangue latino que corre nas veias e casas brasileiras está fazendo com que um bígamo compulsivo e mentiroso contumaz seja visto não como aquele que traz sofrimento a duas famílias inteiras, mas como o coitadinho que, afinal, não comete outro crime senão amar demais sem se decidir.

Fragolloni ensaia sua pose de macho latino bem-sucedido. Lágrimas para fazer sorrir

Só mesmo o machismo diluido no caldo cultural deste país seria capaz de levar tal personagem para o núcleo cômico da novela, exibindo seus olhinos azuis de cachorro italiano que caiu da mudança, isento de qualquer acusação por parte do público. Com excessão de algumas mulheres que já tenham sofrido na pele os horrores da guerra (ou do amor, tanto faz o nome que se dê), o grande público vê com picardia a sucessão de engodos deste vilão com cara de mocinho.

Ele amar as duas deveria ser mais um motivo para não machucá-las, mas acaba sendo o passaporte para que seus crimes sejam vistos com ternura.

O amor é forte, justifica qualquer loucura e Bruno Gagliasso está hilariante na pele de Berilo, mas o que incomoda é a naturalidade com que sua conduta é satirizada e absolvida pelo autor e pelos espectadores.

Mesmo que a caretice tenha dado lugar a discussões menos fundamentalistas, seria improvável a mesma visão sobre uma mulher que se alternasse entre dois homens mentindo para ambos. Ela dificilmente seria tida como a “comedora irresistível vítima do amor”.

O problema não é Berilo estar com duas: Se os três vivessem em uma sociedade alternativa poligâmica ou simplesmente aceitassem de comum acordo a condição de triângulo, haveria polêmica e algum grau de escândalo, o que uma sucessão de mentiras descaradas não foi capaz de criar.

Os piores bandidos de Hollywood enganam a todo o elenco, mas raramente enganam ao espectador (salvo raros roteiros menos óbvios), mas NUNCA o fazem até o fim, quando são desmascarados e devidamente punidos para alívio geral. Mas Berilo deve sair são e salvo, e se tudo der certo (para ele) com dois filhos que servirão de aval para que ele continue vendo as suas respectivas mães.

Sabe-se que a Globo faz pesquisas regulares, que definem os rumos das novelas. Logo, se a trama de Berilo segue este rumo, é porque o público aprova.

O vilão consegue seu final feliz quando ilude a platéia.

Em breve o BLOGICO se tornará RELLEVANTE.COM

05-01-11 Posted by | Crônica geral | Deixe um comentário

Recomendação sincera

Aos profissionais e obcecados por qualidade em geral recomendo a dedicação sincera, a energia e o foco de Tatiana Fernandes, cujo talento e organização tive a felicidade de conhecer de perto durante o evento Nós da Rede, ciclo de palestras com Lula Vieira, Marcelo Ivanovitch e Biruta Mídias Mirabolantes, entre outros, realizado em maio de 2010.

O sucesso e repercussão do evento devem-se muito à perseverança desta profissional talentosa. Sua capacidade de ir colocando os pingos nos is, um por um na hora certa, foi fundamental para que tudo saísse como devia.

Pablo Ramos – Rio de Janeiro


19-11-10 Posted by | Crônica geral | 1 Comentário

Estaremos confundindo

Atendente recém-contratado, depois de passar pelo treinamento intensivo.

Os esforços das empresas para manterem-se epróximas de seus consumidores, tornando suas vidas fáaceis e agradáveis, parece não ter chegado ao atendimento ao cliente, se é que têm saído do papel…

Enquanto as operadoras de telefonia celular disputam o primeiro lugar nos rankings de reclamações, ninguém respeita a recente lei do teleatendimento e ao que parece os procedimentos são pensados para livrar a empresa da ira do cliente, e não para saná-la.

Gasta-se muito para desenvolver sistemas de reconhecimento de voz capazes de interagir com o cliente, mas com que proposito? Oferecer melhor e mais rapido atendimento? Não: poupar gastos com pessoal. Muito já se gastou em pesquisa e desenvolvimento para fazer cojm que a máquina pareça humana…Por outro lado os treinamentos dos atendentes (por enquanto) humanos estabelece um roteiro de procedimentos, de modo que qualquer coisa fora desse roteiro extrapola as capacidades de decisão do atendente.

Gasta-se com as máquinas para fazê-las parecer humanas, e gasta-se com as pessoas para fazê-las agir como máquina. Como pode dar certo?

Pbl.

18-11-10 Posted by | Comunicação e design, Denúncia, Desabafo | , , , | Deixe um comentário

Se é Bayer é BUM !

Porque será que não saiu no Jornal Nacional ???

 Durante o 23º Congresso de Entomologia (ciência que estuda os insetos), realizado no final de setembro em Natal (RN), estudantes e artistas fizeram um excelente protesto em frente ao stand da Bayer. A criativa militância conseguiu chamar atenção de cientistas e estudantes que circulavam.

O protesto foi filmado e devidamente youtubado, vale a pena conferir como a militância oplítica está presente e, o que é melhor, renovando-se no país.

São meia dúzia de esclarescidos no meio da multidão indiferente? Sim, mas hoje contam com a INTERNET !!!

Veja, depois informe-se… Então comente e participe. Se morrerem nossas consciências, o que restará?

Para se informar:

Pesqwuise por “Bayer abelhas”

Trangêncos no site do Greenpeace

“Transgenic crops” no Google Acadêmico

O MUNDO SEGUNDO A MONSANTO
vídeo completo no Youtube

Pbl.

 

 

11-11-10 Posted by | Ciência e Tecnologia, Denúncia, política | , , , , , | Deixe um comentário

Quem quer dinheiro ???

O Panamericano deu um susto daqueles no mercado, na bolsa e nos bolsos. Quando um banco é apanhado com as calças curtas o país, por reflexo condicionado, espera a maré de quebradeiras e choradeiras; mais ou menos como ver o mar sumir diante dos seus olhos e saber que depois vem uma tsunami.

Mas o que se viu dessa vez foi diferente, estranho até: o manda-chuva pegou o empréstimo necessário pra cobrir os balanços fraudados e deu como garantia todo o seu imério. Uma resposta rápida e sem dúvida honrada, efetiva e ressonante.

Este homem que aos oitenta anos continua trabalhando na base criativa de sua TV, mantendo contato direto, íntimo e fiel com seu público, não teve berço de ouro e teria qualquer desculpa que quisesse para se blindar de possíveis consequências dessa mal fadada administração do Panamericano, mas preferiu dar tudo o que podia para não deixar qualquer dúvida ou receio assolarem acionistas, clientes, fornecedores, poder público.

Parabéns Silvio Santos pela coragem e caráter; e também pela reação ágil e inteligente, de acordo com os preceitos mais modernos de marketing de valores e capaz de salvaguardar o maior, verdadeiro e impenhorável bem: seu nome.

Entenda melhor o que aconteceu

11-11-10 Posted by | política | , | Deixe um comentário

Dilmônica e Serrabolinha… Adivinha quem é o celho!

Sacada do cartunista Vavá,
talento carioca a serviço do riso,
exclusivo para o Blógico.

edwardmeirelles@hotmail.com

04-11-10 Posted by | Humor, política | , , , , | Deixe um comentário

Eu tenho a força

Recentemente twitado por @jonasmk, um anuncio espanhol ganhou o mundo pela internet. Parodiando o He-Man um cara de hoje, um (pausa dramática) coroa. Ok, estou bem mais em forma do que ele, mas ver a minha geração ali retratada me fez, s[o de birra, não gostando  do anúncio.

Eu e o He-Man somos da última geração de impressionáveis – aqueles que cresceram nos últimos segundos em que a ficção estava dentro da cabeça, não no mundo real. Hoje ninguém tem um “primeiro computador” – o cérebro eletrônico está em toda parte. O meu primeiro foi um MSX-Expert Plus, trambolho que precisava de uma tevê em cima pra servir de monitor.  E impressionava um moleque de treze anos.

Os últimos impressionáveis se junntam para defender o mundo contra o mal.

Nós, os últimos impressionáveis, derradeiras testemunhas do velho mundo, vivemos nosso próprio futuro depois de assistir à ficção pipocar no cootidiano. Não se explica a alguém de dez anos o encanto que pode provocar o celular ou a internet. Mesmo digitalizado e atualizado, alguém que um dia foi apresentado ao mundo sem essas coisas sempre diz um “uau” interior de vez em quando, sem que ninguém perceba sua admiração pelo banal.

O futuro é hoje pra quem sabe olhar de novo, com um olhar novo

Um exercício tântrico consiste em observar uma rosa com o mesmo espanto da primeira vez; a despeito da simplicidade muitos tentam ha mais de cinco mil anos, e poucos conseguiram. Enquanto isso um publicitário carioca se espanta, aos setenta e seis anos, toda vez que passa pelo Aterro do Flamengo e seus postes quilométricos sob as luzes de aviões que chegam e saem do Santos Dummond…. Um cenário que, se observado pelos olhos do menino que ele foi um dia, crescido entre bondes e charretes, o faz admirar-se.

Não tenho nenhuma saudade do MSX; sinto falta das coisas que já sonhei e ainda não vi, mas não sinto falta dos sonhos; algo me diz que devo agarrar-me à capacidade de re-conhecer as coisas, mesmo que renasça mil vezes cercado de prodígios.

Pbl.

29-10-10 Posted by | Crônica geral, Desabafo | , , | Deixe um comentário

Ficha limpa

A lei da ficha limpa foi uma das melhores coisas que aconteceram neste país, desde a redemocratização. De origem popular, está causando rebuliço nos corredores da justiça e da política.

E ainda teve juiz do supremo dizendo que a Ficha Limpa flerta com o nazi-facismo…. Mas mesmo sob esta terrível ameaça, os juízes decidiram, a respeito do caso Jader Barbalho, que valhe o que disse o TSE… Ora, senhores, isso tem um nome em jurisdiquês, é Tiradarretum. É como um habeas corpus, mas livra a própria cara, não a de outro.

Posso imaginar o tamanho da pressão que está ocorrendo nos bastidores de Brasilia por conta desta bendita lei, pro Supremo desdecidir sobre um assunto duas vezes em tão pouco tempo.

A médio e longo prazos, em “pegando” mesmo a lei, pode haver um vácuo na política nacional.  Que pessoas ou grupos podem surgir no cenário político é uma pergunta que cabe a cada cidadão responder.

Maioria do STF vota por validade da Ficha Limpa

Pbl.

27-10-10 Posted by | política | , , , | Deixe um comentário

Enchendo o saco

Perai.... Ninguém pensou na tartaruga, ela vai comer o que???

Quem diria que a queda de consumo seria uma boa notícia… A reciclagem é apenas uma base da sustentabilidade. As outras duas, redução e reaproveitamento, não são muito badaladas porque desencorajam o consumo… Mas a roda da história anda e, hoje, a queda de 20% do consumo de sacolas plásticas no Brasil, nos últimos três anos, é (finalmente) uma boa notícia!

Assim caminha humanidade.

Pbl

05-10-10 Posted by | Crônica geral | , , , | Deixe um comentário